20.5.19

Paraíso

Duas vezes dei à luz em maio e creio que fiz muito bem. Se é para pôr um filho no mundo, se é para o atirar às feras, às febres, às feridas, ao menos que seja na doçura do colo primaveril. Que haja na violência do embate, no susto dos sentidos, a ilusão de desembarcar num cais soalheiro, de frutos rubros, flores perfumadas e onde o vento parece soprado da boca dos anjos.