22.6.18

Velha adormecida

A mulher do senhor Pereira espanta-se de me ouvir comentar com um vizinho os jogos da seleção nacional. Oh, não bastasse a minha falta de jeito para cabidela e rabanadas, ainda me apresento, eu própria, como uma indigesta e impossível miscelânea de saias com futebol. O mundo está tão diferente, diz ela como se acabasse de despertar de um sono de cem anos. Coitada, adormeceu no dia em que o marido, vendo-a seguir caminho tão estudiosa, independente e atrevida, decidiu beijá-la pela primeira vez.