20.6.18

Final da partida

Vinda da beira do rio, à hora a que o árbitro apitou vi sair da Igreja de Nossa Senhora da Ajuda um corpo morto, encarcerado em madeiras nobres e bem polidas, a caminho da morada que dizem ser a última: um fosso na terra, um roseiral, uma urna com design contemporâneo que possa figurar na sala como bibelô, cada um há de saber como quer repousar na eternidade prometida. Depois, caiu um aguaceiro de verão e, encharcadas as poeiras urbanas, libertou-se no ar um odor impróprio para românticos e outras espécies permeáveis. E uma melancolia breve, dessa que costuma sobrar depois do êxtase ou de uma apoteose, tomou conta de tudo, até de mim.