1.6.17

Olhos

Faz tempo que não conheço uns olhos vadios, curiosos, espantados, amantes do acaso e do detalhe. Que digam qualquer coisa da sua dúvida e da sua vontade. Parecem todos muito certos da direção que tomam, apontando uns às biqueiras dos sapatos, outros ao carro da frente e quase todos ao fim do mês. Mesmo assim, as senhoras vão abaixo nos seus tacões impossíveis e os cavalheiros tropeçam nos degraus, mas nem uns nem outros espreitam pelo canto do olho para saber se há quem, como eu, tenha ficado a rir.