2.6.17

Matéria-prima

Quando um Homem morre, até à forma como coçava o rabo lhe atribuem maravilhas. O cadáver é a mais antiga matéria-prima da estátua.
Chegando a minha hora, por favor, não me façam igual pois por cada grandeza inventada, falseada e apregoada, no íntimo de cada um virá à lembrança uma prova do oposto, qualquer infelicidade que eu tenha cometido, um pé na argola, as costas voltadas, palavras malditas, os sete pecados emergindo em dias de turbulência. E entre a cerimónia e o sentimento poderá haver abismo tão fundo que eu ficarei na dúvida, no limbo, no purgatório. Prevaleça a humildade entre vivos e mortos na hora em ela faz mais sentido: não se armem uns em juízes, nem se louvem os outros como deuses.